terça-feira, 26 de julho de 2011

O Planeta Vermelho.

Ella é uma menina pensativa....todos sabem disso.

Quando pequena, no inicio de sua adolescencia, Ella ganhou uma luneta. Passava horas e horas observando o céu, seus astros, seus encantos... Se apaixonou por Marte, o planeta vermelho.

Marte sim, era seu mundo....Ella nasceu por acaso na Terra, por um erro das estrelas, por um descuido de Deus.

Ella sonhava acordada, imaginava a vida naquele planeta, a falta de barulho, de outras pessoas, a falta do tempo. Ella imaginava que em Marte só o presente existia, o futuro e o passado não faziam sentido pq quando o momento é perfeito não há necessidade da existencia de lembranças e nem de planos.

A terra vermelha, as montanhas vermelhas....um mundo vermelho.

Tão maravilhoso quanto inalcançavel. Tão distante, tão....imaginario.

Ella, como todo mundo, desistiu de morar em Marte. Mas abriga em seu coração a eterna saudade do lugar que nunca pode estar; guarda com carinho os sonhos que regaram incontáveis noites; esconde com tristeza a vontade de ir pra lá.

Na Terra há felicidade, mas em Marte....o mundo é vermelho.

Beijos.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Um caos.

Nenhuma palavra define melhor meu estado de espírito do que "cansaço"

Ontem eu comentei com Jether e Valeria "é incrível como nossos sonhos mudam ao longo dos anos". Eu lembro que ano passado, tudo que eu queria da vida era passar no vestibular, estar na faculdade e viver a vida de universitária...que sonho!
Pois virou sonho antigo. Hoje eu queria trabalhar logo dando aula, comprar um carro elétrico e ter um sítio.

Tudo na vida é cansativo de mais...é uma eterna espera....pra nada. Esperamos o dia chegar, pra esperar a noite, e depois o outro dia...e assim vamos, ao longo dos meses, esperando o fim, o fim de nós mesmos, o fim do mundo, o fim dos erros, dos outros, o fim da espera.

Eu espero demais....espero que gostem de mim, que voltem pra mim, espero que as ferias acabem pra chegar em casa e esperar o fim do semestre. Depois espero o fim do ano, espero, espero e espero.

Cansei....

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Um dia...

Imagine se Deus não nos tivesse dado outra chance...

Hoje foi um ótimo dia...apesar de minha vida amorosa não estar completamente resolvida, e ter chovido boa parte da manhã.

Eu lembro que quando eu tinha 5 anos de idade, morávamos no mesmo sítio em que Jether e Valéria moram hoje.

Quando chovia o quintal se perdia em meio à lama, Jether me dera uma bota de plático pra eu brincar na chuva, e eu era a criança mais feliz do mundo. Ao acabar a brincadeira, Valéria fervia água no fogão pra me dar banho quente e eu não me incomodava em tomar banho com uma caneca pq na minha cabeça banho era aquilo, banho era o momento do dia em que sua mãe resolve que está perto da hora do jantar e sua brincadeira precisa acabar, tanto fazia ter ou não ter um chuveiro elétrico.

Jether chegava no fim da tarde, sentava na cadeira da cozinha comigo no colo, tomava um café enquanto conversava com Valéria, eu me encostava no peito dele, a vibração de sua voz me fazia dormir, e assim o dia chegava ao fim e na manha seguinte eu acordava com Valéria cantando:

    "Acorda Maria bonita, acorda pra fazer café, o dia já está raiando e a polícia já está de pé".

Minha infância foi perfeita, com pães caseiros, cachorros, irmãos, Pai e Mãe.
Minha adolescencia foi engraçada, com colegas, encrencas, erros, escola.

E agora...seja lá a fase em que estou, ela é feita de amigos, faculdade, família, deveres, direitos...mas hoje, o mais importante são minhas certezas, são poucas, mas são certezas.

E...quando essa fase passar, eu estarei no meu sítio, talvez não naquele que eu e o Augusto escolhemos, mas em algum. Teremos um cachorro, uma lareira, um fogão à lenha, um carro antigo...teremos uma árvore com um balanço. Talvez, devido às insistencias, uma filho que terá os olhos dele.
Um dia, seremos tranquilos, acordaremos de madrugada pra ver a lua e comer fondue sentados no quintal. Faremos planos pro fim do ano. Finalmente teremos uma Camélia, guardaremos sua primeira flor dentro do nosso livro.

Um dia, olharemos pro passado dando risada de nossos enganos. Um dia olharemos pro futuro sem nenhum temor.

Um dia...olharemos pro presente e daremos um sorriso largo.

terça-feira, 12 de julho de 2011

A filosofia explica!

Existe uma corrente filosófica, que afirma que a Linguagem é uma doença do ser humano.
A maioria das pessoas olha para esta afirmação e nem se dá ao trabalho de analisa-la para para só depois descarta-la, afinal, a linguagem é o que move a sociedade, não há pq identificá-la como um problema em si! (é o que pensam).

Pois bem leitores. Viajemos por outros caminhos.

O que nos diferencia dos outros animais e das plantas é a nossa racionalidade. A racionalidade, que em primeiro plano parece ser uma dádiva, é justamente o que nos faz questionar, os bixos e as plantas não se questionam, não dizem "não" para a própria natureza, apenas existem, vivem o seu pleno "direito natural" (ESPINOSA-Tratado Teológico-Político). Não entender o mundo é o produto da racionalidade, é o que faz nos sentirmos fora do mundo. Todos temos a sensação de estarmos fora da realidade física, como se nossa mente fosse algo metafísico preso a um corpo.
 Aristóteles, analisando a lei de ação e reação, obviamente chega ao início de tudo, chega num ponto onde surge a necessidade de algo ter surgido de si mesmo, o que ele denominou de "primeiro motor imóvel", vulgo: Deus.

Na natureza, tudo está sujeito ao devir, estamos em constante mudança, estamos limitados ao início, meio e fim. A única coisa que é infinita, é própria natureza, sendo ela um universal, composto por particulares finitos. A natureza é infinita pq ela é si é o conjunto de todas as coisas, o que faz dela um ciclo sem fim.

Na própria natureza, tudo tem o seu devido lugar, e age de acordo com seu direito natural, fazendo assim parte do Todo sem nenhum tipo de discordancia ou negação. A Harmonia da natureza, é infinita em si mesma e é a causa de si mesma, logo...natureza é Deus.

A racionalidade humana, é o que nos faz olhar a natureza como algo alheio a nós mesmos. Pois não nos sentimos inteiramente parte dela e por isso não a entendemos. A racionalidade não é o algo a mais que faz de nós animais superiores, e sim o algo a menos que tirou de nós a capacidade de entrar em harmonia com o todo.

O princípio da filosofia é o espanto, é olhar o mundo e querer entende-lo. Logo, podemos concluir que o pq de tal espanto é a própria racionalidade.

Essa é uma conclusão racional para a eterna pergunta da filosofia, que é "o que é o conhecimento?". Conhecer é  ser parte do todo. Se assim fossemos, entenderiamos absolutamente tudo, pois não tentaríamos enquadrar o conhecimento dentro de um raciocínio lógico que o explique, que é a linguagem.

...................................................................................................................................................................
O cristianismo tem tudo a ver com isso. Nas próximas postagens explicarei os pqs.
Somente peço para quem quiser acompanhar minha linha de raciocínio, que não se espante, e que tente se abster de qualquer tipo de preconceito ou fanatismo religioso.
Deus existe, e precisamos dele.
Abraços.

Selmy Menezes

terça-feira, 5 de julho de 2011

Marília

pensei que demoraria mais pra sentir sua falta.

Mas enfim....amo o sitio
como eu havia planejado, estou comendo muito pão caseiro
eu tenho um quintal
as flores que plantei quando ainda morava aqui, já brotaram e estão se multiplicando e espalhando pela frente da casa um ar de jardim...
as mangueiras estão crescendo...

Eu preciso achar uma planta, que represente a vida que eu tive. Assim como Ruben Alves planta uma árvore sempre que alguém importante morre, eu quero plantar alguma coisa que represente a morte do meu antigo Eu...

Quero encontrar também uma outra planta, que represente a vida que eu quero ter de agora em diante...Uma planta que dê flores de esperança, que tenha um cheiro doce como os sonhos, que dê uma sombra farta como a tranquilidade, uma planta que tenha raízes profundas, raízes que se firmam na terra afim de abraçarem o mundo! Quero achar uma árvore que seja forte o suficiente para aguentar as tempestade , que seja grande o suficiente para abrigar quem precisa! Quero uma árvore que contenha a essência da beleza pra que ela seja em sí um belo quadro, digno de ser admirado e retratado.

Eu quero, uma vida nova. Uma vida cheia de laços de seda, de estruturas de ferro, de camélias brancas, de uvas passas cobertas de chocolate, uma vida cheia de amigos, cheia de comida de mãe, uma vida salpicada de sorrisos, de abraços, de saudade, de olhares...

 Eu quero uma vida na companhia de outra, quero uma vida da qual eu compartilhe todas as alegrias e as tristezas com a pessoa que mais amo, e é com essa pessoa que eu vou tomar uma xícara de chá todas as noites da minha vida.

Augusto...não precisa ter medo de plantar uma árvore comigo.

Comentem...