quarta-feira, 4 de maio de 2011

Outra postagem.

Oii.
Na minha aula de teoria, tivemos que fazer um texto, resumindo um texto de filosofia escrito pelo doutor Antonio Trajano Menezes Arruda, que por sinal, é um dos meus professores, o de filosofia geral.
Fizemos o tal resumo, e todo mundo foi apedrejado pela professora de tutoria, todos os textos estavam errados, tivemos de refazer, e na segunda aula, apresentamos os novos textos, e todo mundo levou bronca denovo, menos Eu =) hehehehehehe....fiquei extremamente feliz, as correções no meu segundo textos foram leves, ela só pediu pra eu refazer minha definição de erro categorial.
Por essa minha primeira conquista em minha vida acadêmica, ínfima conquista, vou colocar aqui o meu texto já corrigido.
Beijos.

Tutoria I- Prof º Mariana
Filosofia da Linguagem

Selmy Menezes de Sousa.

No texto A Filosofia: sua natureza, seus problemas, seu método; escrito por Antonio Trajano Menezes Arruda (p.21), o autor expõe sua idéia do que vem a ser Filosofia da Linguagem.
Uma grande questão da filosofia é encontrar um método que, de certa forma, nos ajude a descobrir as respostas para as inúmeras perguntas que a filosofia apresenta.
Ligada a essa questão do método filosófico, está a filosofia da linguagem. O que explica essa ligação é o fato de termos que constantemente, nos apóias na própria linguagem para filosofar, isto é, para discutir temas e problemas filosóficos. Logo, conclui-se que o bom uso da linguagem, permite um melhor e maior entendimento sobre a apresentação de um problema filosófico, e também, obviamente, das muitas tentativas de respostas para este problema. O mau uso da linguagem, além de dificultar o entendimento dos conceitos, por vezes chega a deturpar o sentido dos mesmos. Dentre os muitos erros atribuídos ao mau uso da linguagem, está o erro categorial. O erro categorial acontece quando colocamos em uma mesma categoria algo que pertence a categorias diferentes.
Por fim, pode-se concluir que o domínio da linguagem permite clarificar os caminhos pelos quais andamos, em busca das respostas que tanto atormentam o mundo filosófico.
03/05/2011

4 comentários:

  1. Parabéns, Sel! Eu sempre gostei de filosofia e literatura. Sempre soube que havia uma relação entre essas áreas. Optei por mergulhar de cabeça na segunda, mas ela me ajuda a me banhar eventualmente, sem me afogar, na primeira. Vou responder teu e-mail, moça. Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns filha! Continue postando seus textos que ajuda e muito a amenizar a saudade.

    Amamos vc.demais!!

    Mainha.

    ResponderExcluir
  3. Oi Selmy,

    O profissional de ciências humanas sempre vai ter de justificar sua prática na sociedade justamente porque tais práticas estão muitas vezes distantes do cotidiano das pessoas portanto pode se fazer grandes digressões a cerca de um assunto como filosofia por exemplo falar da importância de Aristóteles,de Wittgenstein no desenvolvimento do pensamento ocidental entretanto esse exercício se torna estéril na prática social do dia -a dia das pessoas que tem uma vivência mais prática enfim pensando nisso peço que escreva um texto para me ajudar em algumas respostas que preciso.
    Afinal Selmy para que serve filosofia?
    Parece absurdo,mais é fundamental responder isso para as pessoas,estou lhe perguntando qual o seu objeto de estudo e qual a função social do pensador hoje entenda hoje não o contexto da importância histórica do pensamento do Hegel ou Kant, qual relevância social da filosofia como prática hoje para as pesssoas em geral da sociedade e não para a elite acadêmica.
    beijos
    Bruno

    ResponderExcluir