sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Desvaneios de uma mente ligeiramente sã.

Hoje eu acordei com cólica, ninguem consegue imaginar a intensidade do meu ódio por cólicas menstruais, não conseguem.

Amanhã é natal, e a família vai se reunir pra esquecer os problemas, dar sorrisos suspeitos, dar abraços de saudade forçada, comer muito aquelas comidas salgadas com pedaços de fruta pelo meio como arroz com pedaços de banana, quem gosta de arroz com banana? Ou farofa com pedacinhos de manga.

Ontem fiz um cartão de aniversário pra uma pessoa que gosto muito, dentro eu escrevi " este é um vale chá, válido para toda a vida" , quem não conhece a fundo o meu relacionamento amoroso, não entende o quanto significa uma xícara de chá. Eu amo chá...

Lá pro começo do mês, eu assiti uma aprensentação de 5 monólogos na casa da cultura de Piedade (eu gostaria de viver constantemente em Piedade, é calmo demais e ainda vai demorar pra essa cidade ter o cheiro, o gosto e os hábitos de cidade grande, que eu odeio ) . Um dos monólogos me chamou muita atenção, a moça dizia "queria poder comer os cheiros que gosto, como cheiro de terra molhada, cheiro de flor de laranjeira, cheiro da pessoa que amo"....de fato....eu queria comer os cheiros que gosto.

Eu queria mesmo era fugir, achar algum lugar que ninguem nunca tenha me visto, e onde ninguem que já me viu vai me encontrar, queria um livro em branco pra eu rabiscar, queria uma saia rodada estilo hippie, queria um carro antigo e que minha cachorra pudesse falar.
Eu queria uma miniatura do mundo, que se movesse, ou um universo "de bolso", que ficasse pendurado no teto do meu quarto, girando, girando....girando....

2 comentários:

  1. Gostei, Sel.

    Agora entendi a sua carinha borocoxô nas fotos do Natal. Ninguém merece colica mesmo nao. Beijo, Flor!

    ResponderExcluir
  2. Também gostei!! voce expressa bem o que muitos sentem e não sabem como falar.

    Beijos linda!!

    ResponderExcluir