sexta-feira, 5 de novembro de 2010

O valor do presente.



Eu acabei de ler um livro hoje "As Ruínas", uma história de Stephen King. O livro se trata de amigos que vão passar as férias no México, vão se aventurar em ruínas de uma contrução Maia, acontecem inúmeros problemas e o livro nassa os conflitos e necessidades de 5 jovens presos num lugar sem condições favoráveis à vida, como falta de água, de comida, e claro...existe outros segredos tb, mas eu não vou estragar a surpresa do livro =) (pra quem não gosta de ler, esse livro virou filme).

Lendo esse livro, eu fiquei pensando em como agiríamos em situações extremas...se daríamos o mesmo valor às pessoas à nossa volta, o quanto mudaria nossa escala de valores, enfim....quem seríamos?

Indo por essa linha de raciocínio eu me deparei com um problema muito comum em nossas vidas, se não na sua, na minha tem!!Não dar valor ao presente, ao momento, ao agora, às pessoas do agora.
Certa vez, a uns anos atrás, eu estava acostumada a ter 4 irmãos vivendo comigo, chateando, brigando, brincando. Do nada, todos eles resolveram crescer e ir embora, e foram...pra suas faculdades, pros seus cursinhos, pra suas vidas...e eu fiquei sozinha, com 12 anos e filha única. No primeiro momento eu tive a certeza que meus problemas estavam resolvidos, mas no máximo uns 3 dias depois eu já havia mudado de ideia e percebido que o conforto de só a minha cama no quarto não valia mais que os meus irmãos por perto.

Anos depois, Mel voltou, eu vou confessar, nunca grudei tanto numa pessoa! Gravando na memória cada sorriso, cada risada, cada sorvete, tudo...porque eu sabia que ela mais cedo ou mais tarde iria embora denovo. Depois Milena voltou, demorou, eu senti e agi da mesma forma, e ela enfim casou. Eu sinto falta dela, mas não peso, ou arrependimento por nao ter aproveitado, eu curti cada momento com ela, o Augusto até comentava, dizendo que nossa amizade era irreal demais.

Eu nem sei porque estou escrevendo tanto, e sobre isso...tão banal. Mas tanto faz...eu gosto de escrever sobre o que eu ando pensando, é como se o pensamento saísse da minha cabeça, deixando-a livre pra outros, e mais outros...sei lá

bj povo

Um comentário:

  1. "Mas a poeira é só a vontade que o chão tem

    de voar." Rita Apoena

    Se quiser conferir o que mais a moça escreve :
    http://jornaldaspequenascoisas.wordpress.com/

    ResponderExcluir