sábado, 14 de agosto de 2010

A vida a gente vive...ou não...


É engraçado, eu sempre ouço muito a frase "você Selmy, pensa muito e vive pouco" , qual será o conceito de viver que essas pessoas têm não? Se eu vivo pensando, é porque de certa forma eu vivo né! Mas não, existe um padrão de vida, que alguém ou alguma coisa estabeleceu, e nesse padrão, eu não me encaixo, e também não me esforço...

Nos últimos dias muita coisa mudou, coisas que eu não imaginava que poderiam acontecer, mas enfim, me fizeram lembrar de como o futuro é obscuro, de como somos incapazes de prever. Logo, o presente se torna o mais importante, afinal o futuro é tão incerto, que se deixarmos tudo pra depois, talvez o depois não chegue nunca. Hoje eu plantei flores num canteiro que fiz na frente da minha casa, embaixo da janela dos meus pais, são flores de cores sortidas, eu gosto de tudo que plantei, mas até agora só há terra no canteiro, e eu não posso garantir que de lá sairá flores reais, até agora eu só as vi na embalagem das sementes...

Eu li um livro, pela terceira vez, se chama "Princesa" de Jean Parker, é a história de uma princesa da Arábia Saudita, eu odeio aquele lugar mas as histórias são tão chocantes que se tornam atraentes. O livro é tão intrigante que li inteiro em 5h e 45 minutos, terminei 15 para as 4 da manhã. Ao fechar a contra capa, eu fiquei deitada na cama, olhando pro teto, fiquei pensando no meu tamanho em relação ao mundo, pareceu ser insignificante, o oriente médio pareceu inatingível, a melhora do mundo pareceu utópica, a igualdade, a felicidade, pareceram todos sonhos distantes, infantis...ilusões. Me bateu uma vontade forte de desistir, de parar de respirar e ver o que há além dessa grande confusão, ver o que explica essa vontade doida de viver pra sempre, o que faz a vida fazer sentido, ver porque Deus quer que nos convertamos e vivamos com ele lá, lá onde ele vive, seja lá onde for...

Fiquei pensando nos objetivos da vida, cada um tem um, tem gente que nasceu pra maternidade, são aquelas pessoas que vivem pra os filhos, querem sempre cozinhar melhor, fazer bolinhos e biscoitos no final da tarde, querem que o mundo melhore somente pra que os filhos vivam melhor. Tem gente que nasceu pra ganhar dinheiro, passam por cima de tudo, de todos, e enriquecem, tem gente que nasce pra ser funcionário de alguém, tem gente que nasceu pra vegetar(é a impressão que eu tenho as vezes). Mas existe um outro grupo de pessoas, que nasceram pra mudar o mundo, mas isso é tão difícil que começa lá de baixo, mudando a própria casa, são pessoas que crescem pensando num problema quase sem solução existente no mundo, que fazem tudo em pró da resolução desse problema, cada pessoa desse grupo tem um tema maior na cabeça, já conheci mulheres que só escrevem, só falam, só pensam em bebês e que suas mães devem dar à eles leite materno até num sei qual idade, é um objetivo, e elas vivem por isso...
Creio que eu faça parte desse grupo, não dos que mudam o mundo, mas dos que tentam. Meu objetivo não é fazer bebês beberem leite, mas sim tentar mudar a desigualdade entre os sexos, eu sei que a lei (pelo menos a da maioria dos países) prevê a igualdade, mas ela não está entrelaçada nos corações das pessoas, na vida, no dia-a-dia, esses dias eu ouvi a frase "na realidade as mulheres procuram homens superiores à elas pra casar"...gente...eu ainda tenho muito trabalho...

Procurem seus objetivos, corram atrás, porque quando morrermos veremos qual vai ser a recompensa....

um bju povo

dois bjus xuxu =)

3 comentários:

  1. adoro nossa fase pensadora, nossos medos e desejos escondidos atrás dessas palavras confusas e tão claras.. um dia teremos um best-seller .beijos flor

    ResponderExcluir
  2. Texto claro, bem escrito, é maravilhoso ler o que vc.escreve.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. ``Meu objetivo não é fazer bebês beberem leite, mas sim tentar mudar a desigualdade entre os sexos``

    Existem tribos de estrutura matriarcal no alto- xingu; os lemures primatas como nós tem estrutura matriarcal,estas diferenças que você costuma reafirmar são da sociadade judaico-cristã se trata de uma construção social que data do aparecimento de conceitos do monoteísmo, então é normal para uma sociedade cristã o patriarcalismo;igualdade talvez em uma sociedade nova que provavelmete não vai existir o nosso modelo de sociedade é flexivel graças ao liberalismo nada mais lutas socias são ópio dos intelectuais.

    ResponderExcluir